tel (37) 3236-7767 / (31) 99609-5750 -  mail contato@artemisambiental.com

Escrito por Artemis

Bióloga, escritora, cientista, amante da natureza desde criança, pioneira nas pesquisas pesticidas e precursora do movimento ambientalista.

Essa foi Rachel Carson, que viveu nos Estados Unidos entre 1907 e 1964. Foi funcionária do United States Department of Fish and Wildlife e realizou um estudo profundo sobre a ação do agrotóxico DDT, comprovando que, ao matar os insetos “indesejáveis” essa substância também provocava um desequilíbrio ambiental, com efeitos em cadeia a médio e longo prazo.

O DDT é um Poluente Orgânico Persistente, ou seja, não é degradado no ambiente e se espalha facilmente no ar e na água, se acumulando nas cadeias alimentares. Esse processo é conhecido pelos cientistas como Bioacumulação ou Magnificação Trófica e foi descoberto pela cientista Rachel Carson durante seus estudos com o DDT. Os resultados de sua pesquisa foram publicados no livro “Primavera Silenciosa” (Silent spring) em 1962. Nele Rachel sugeria que o uso indiscriminado do DDT era o principal fator de morte de inúmeras espécies de aves norte americanas. Ao longo da cadeia alimentar, as aves de topo de cadeia são as que recebem o maior acúmulo do poluente. A medida que as aves iam morrendo, as primaveras ficavam cada vez mais silenciosas, pela extinção de seus cantos.

Rachel também demonstrou que além dos prejuízos à natureza, o DDT também provocava grande impacto sobre a saúde dos seres humanos, sendo o principal causador de doenças como o câncer e o cancro.

Como era de se esperar, a publicação causou um grande estardalhaço no setor agrícola, na indústria química e até no então presidente dos Estados Unidos, John Kennedy, que montou uma comissão científica para analisar os dados divulgados por Carson. Apesar da autora já ser na época uma pesquisadora renomada, com inúmeros trabalhos publicados sobre a vida selvagem, acusaram-na de incompetente, alarmista, incapaz de entender o progresso científico. A chamavam de "freira da natureza", solteirona, histérica e feiticeira, dentre outros insultos machistas. Diziam que, como não tinha filhos, não se entendia porque estaria tão preocupada com o futuro das próximas gerações. Conta-se que em uma entrevista, ao ser perguntada do por quê de não ter tido filhos, ela respondeu que estava tão preocupada em resolver os problemas da ciência que simplesmente “não teve tempo”.

Felizmente, muitos estudos posteriores comprovaram que Rachel Carson estava certa e que os efeitos indesejáveis do DDT eram muito piores do que se imaginava. O livro Primavera Silenciosa se tornou referência para o movimento ambientalista, que se intensificou a partir de então.

Deise T. B. Miola

Bióloga e Mestre e Doutoranda em Ecologia Conservação e Manejo de Vida Silvestre pela UFMG.

Categoria: